Miserável salvo que sou!

...amor, gozo, paz, longanimidade, beneguinidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio.

Estes são os nove frutos do Espírito descritos em Gálatas 5:22. Quando recebemos o Espírito Santo somos guiados por seu intermédio a fim de sermos moldados segundo o caráter de Deus, que nos foi apresentado através da vida de Cristo Jesus.

Gálatas descreve os frutos da carne e os frutos do Espírito, o Espírito é contrário a carne, por essa razão me cabe aceitar ou não a influência deste espírito sobre minha vida.

Independentemente da decisão por mim tomada está a minha salvação; sou salvo e ponto. Cristo através de seu sacrifício cumpriu o propósito de Deus que era salvar.

Quando rejeito a influência do Espírito Santo em minha vida não deixo de ser salvo; mas torno-me um ser miseravelmente salvo. Você deve conhecer alguns seres assim, são aqueles que mesmo afirmando que são “pessoas de Deus” ninguém consegue ver nenhuma conexão de Deus com ele. Pois se o Espírito não rege minha vida não manifesto seus frutos.

Meu filho Lucas é esteticamente semelhante com minha esposa. Quando anúncio a alguém:

- Olha este aqui é o meu filho!

A primeira reposta que ouço é:

- Nossa, ele não se parece em nada com você.

Sinto-me mal, por acreditar que é muito triste ser filho e não ter semelhança alguma com o pai.

Neste caso levantado no texto, que vantagem tem ser filho de Deus e não se parecer nenhum pouco com ele? Não manifestar sua beleza, seu amor, sua graça?

A única vantagem é que quando eu morrer serei salvo.

- Só isso; existe apenas há uma vantagem e só poderei gozar desta única vantagem de ser “filho de Deus” quando eu morrer? Esse é realmente o único beneficio de ser filho de Deus?

Mas para agora, hoje; não há vantagem alguma?

Recebi há algum tempo um e-mail que contava a história de um homem que vivia pedindo esmola assentado sob uma pedra, este já era conhecido por todos daquela comunidade. Quando faleceu todos resolveram fazer seu enterro, decidiram então enterrá-lo embaixo da pedra na qual ele viveu a vida assentado a esmolar. A pedra foi retirada e encontrou-se um tesouro incalculável, para ironia de todos e daquele que viveu a vida esmolando sem saber que estava sob um tesouro incalculável.

Aceitar a Cristo somente para não ir para o Inferno quando morrer é pedir esmola, sem saber que está sob um tesouro incalculável.

Miserável salvo que sou; pois vivi minha vida a esmolar. Hoje busco o verdadeiro tesouro que se encontra sob a pedra, que é a grandeza e o calibre daqueles que foram colocados a sua direita por dar de comer ao faminto, de beber ao que estava sedento, por vestir ao desnudo e por visitar ao doente e ao preso sem saber que estes eram o próprio Deus.

Por Leonardo Pessoa

2 comentários:

keiker 20 de maio de 2010 13:38  

Fico admirado quão grende porção do Espirito Santo ha em vc Lio, o texto e extremamente libertador, não perderei essa orportunidade de louvar a Deus, Gloria a Deus.
Continuarei escrevendo quem sabe um dia eu chego la.

Leonardo Pessoa 20 de maio de 2010 13:51  

Que isso Keiker, muito obrigado pela humildade de se esvaziar de todo seu conhecimento e me prestigiar lendo este texto.
Pessoas como você, o Wagner, Clayton, Ivo, Tiago, Diogo, Ricardo Gondim etc, e que me fazem acreditar que as "grandezas de Deus" não se limitam ao que vejo. E que nós somos a resposta de Deus para vida e para o sofrimento humano.