A IGREJA DE JESUS III

A essência


A essência de uma igreja não está na qualidade de sua liturgia, de suas celebrações coletivas, não está na excelência de sua estrutura operacional, na qualidade de sua gestão em nada disto. A essência de uma igreja está no fato de ser ela uma comunidade, pois está é a grande evidência da presença do espírito santo.

Em Atos 2 quando o espírito santo é derramado àquela multidão que está no cenáculo e em volta dele se torna comunidade, e o autor de atos descreve como vive esta comunidade. Se dedicando ao ensino dos apóstolos, a comunhão e as orações. Vendem suas propriedades e bens e distribuem entre si conforme a necessidade de cada um.
Baseando-me no fato de que hoje sou a morada do Espírito. Se o espírito de Deus não tiver liberdade de atuar dentro de mim, irei prejudicar toda comunidade, todos serão prejudicados porque “eu” não estou cheio do Espírito santo.

A fé cristã é uma fé comunitária, mais que começa no individuo, ou seja, toda comunidade depende de você, toda comunidade depende de mim, toda comunidade depende de cada um de nós pessoalmente.
Na fé cristã não existe a afirmação de que “meus problemas são meus problemas, e ninguém tem nada a ver com isso”. Essa lógica não existe na cabeça de um Deus que é triuno, Deus não raciocina com a lógica do individualismo.
Humildemente afirmo que, Deus raciocina com a lógica da pessoalidade individual, porém uma pessoalidade que se manifesta na comunidade e que existe para gerar comunidade.

Devemos pensar que conceitos como individualismo, não são conhecidos para Deus.
Toda vez que chegamos diante de Deus, ele pergunta: onde está teu irmão?

E se nossa fala é igual a de Caim: Sou eu porventura guardador do meu irmão? Ele nos diz: É sim.
 Ninguém entra na presença de Deus sozinho, porque não somos seres únicos, somos uma comunidade, somos uma família, somos comunidade de partilha. Este é o grande milagre da ressurreição de Cristo e do derramar do seu espírito santo.

Por esta razão nossa oração deve ser; Deus conceda-nos que sejamos um corpo só, em ti.
E assim infinitamente mais do que pedimos ou pensamos é o pensamento que teremos.

Será que conseguiremos ser este corpo? Será que é possível este tipo de relacionamento? Será que essa comunhão é realmente possível? Segundo a afirmação de Paulo em Efésios 3:20 sim. “Ele é poderoso para fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos conforme o seu poder que já opera em nós”. Então qual é o problema?

O grande problema é que em relação a isto nem se quer pensamos, quanto mais pedimos. A maioria de nós pensa em si, não pensa em ser este santuário comunitário, a maioria de nós pensa em como é que esse Deus pode me ajudar, e não em como eu posso manifestá-lo.

O problema não é o poder que em nos opera, mas o que pedimos ou pensamos. Porque com tantas orações importantes pra fazer, referentes às lutas diárias sobre as contas que temos de pagar, bênçãos pessoais, etc. Que a igreja só é lembrada no momento em que estamos no culto.

E a igreja deixa de ser um projeto, e passa a ser um lugar. Não é a toa que o cristão adora o templo. Existem varias pessoas que se você disser que não a necessidade de um templo para se reunir, dizendo que é possível nos reunirmos em comunhão na casa de algum irmão; provavelmente você pode ser agredido verbal e fisicamente. Por que este dirá: O que? E a casa de Deus?
 Esquecendo que a casa de Deus somos nós. Perdemos a visão exposta por Paulo, foi aqui que saímos do caminho esquecemos o real projeto de Cristo.
O projeto de Cristo é construir uma casa para Deus, porque um Deus vivo só pode morar em uma casa viva. O escritor Paulo Brabo disse um vez que “Deus não se contentou em habitar apenas um filho”.
A igreja teria de ser a restauração da humanidade. Não da humanidade como única salvação de muitos indivíduos, mas porque é a retomada do “conceito” de humanidade, onde não há distinção de etnia, raça, sexo, onde todos são um em Cristo Jesus.

A igreja é o fim das nacionalidades, onde trêmula apenas uma bandeira, a da humanidade.

Por Leonardo Pessoa

7 comentários:

Voz de denúncia 27 de abril de 2010 20:32  

penso que o maior desafio eo sistema que legitima a realidade, a esfera econimica, onde cada um é potencial de lucro, no sistema tribal, no clã não existe eu o individuo, existe nos a comunidade, tudo é de todos e pra todos, e ninguem e excluido, eis a questão Deus é contra o sistema que enriquece uns e empobrece outros essa e a denuncia dos profetas, eo reino e Deus em atos todos são iguais, o que fazer então com o discurso que so visa o eu, eu tenho que conquistar, ser bem sucedido, o pensamento de Jesus sempre foi o coletivo, O reino de Deus e de pessoas qeu dentro deles são iguais, eis mais um fio que sai se continuarmos puxando, entaum seo projeto de Deus e no comunitario, conjunto por que a salvação e individual, seria a salvação pessoal????????

Leonardo Pessoa 30 de abril de 2010 08:51  

Olá Keiker obrigado pelo comentário;

Bom, acredito que no cristianismo, a salvação seja pessoal no que diz respeito a minha postura, porque precisa haver em mim esse desejo de querer ser "salvo", porém a peregrinação espiritual é comunitária, e nada, absolutamente nada, é individual. A Igreja como comunidade tende ser a unidade dos redimidos que são/serão transformados de glória em glória pelo Espírito Santo, até que todos cheguem "juntos" à estatura de ser humano perfeito.

keiker 30 de abril de 2010 15:16  

sobre a salvação vamos refletir, a obra da Cruz e uma obra completa? Se a obra da cruz era salvar ela ja não fez isso? lembra do repintando a igreja quando ele diz se vc esta no restaurante e vai pagar a conta e vc chega la a conta ja esta paga oque vc faz? Pode ser ate herege esse pensamento, mas creio hoje que a salvação la ja esta garantida em Jesus em Deus, o pensamento da queda e de Santo Agostinho, e se não ouve queda nenhuma, Jesus veio ensinar como os homens deve viver aqui em direção a uma vida lá, mas tudo bem, se quero salvar alguem para ir pra la no "CEU", e necessario que eu fasso como jesus fez salve ela primeiro aqui, não e ele que dizia vai a tua fé te salvou, e o tema virou salvação, mas parabens penso estarmos em um bom caminho srsrrs

Leonardo Pessoa 3 de maio de 2010 14:24  

Olá Keiker,Muito obrigado por levantar essa questão!

Acredito que me expressei mal, tenho plena certeza que a obra da cruz foi cumprida em sua totalidade. A coisa é que dentro da nossa “experiência religiosa” desenvolvemos erroneamente uma forma de categorizar que vai para o “CÉU” e quem não vai que é a partir da confissão verbal, quem declara que Jesus é o senhor é salvo, quem não declara está condenado e etc.

Domingo quando uma senhora foi à frente e aceitou a Cristo, foi lhe dito pelo pregador, “você tomou a maior decisão mais importante da sua vida”, provavelmente depois disso lhe será dito para que se batize e que se porventura ela morrer agora não irá mais para o inferno, esse é o critério no qual eu e a maioria dos cristãos fomos chamados, Jesus é seu salvador e você precisa aceita-lo e se batizar, sob pena de rejeitando-o ir para o inferno após a morte.
Hoje vejo que há muita incoerência nesses critérios; de que o céu é ou será povoado por aqueles que aceitaram a Jesus como seu salvador e que declararam Jesus como senhor, isso se tornou pequeno demais pra mim, pois reduz a real grandeza do evangelho.

Identificar os herdeiros de Deus por uma mensagem que eu creio ou não creio, acredito ou não acredito se choca quando eu leio “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade...(Mateus 7:21).

Por que aqui Jesus diz que o critério para salvação não é a confissão verbal. Quando leio a parábola do bom samaritano e vejo que os que diziam senhor, senhor estavam errados e o que não dizia estava certo. Enverguei Tb quando li Mateus 25 que mostra que pessoas que nem sabem quem é Jesus, irão participar do reino de Deus.

Quando disse que a salvação é pessoal quis dizer que meu coração precisa tomar um partido, e um partido voltado a solidariedade aos que sofrem, por que senão tanto faz minha sentença já vivo no inferno.

Voz de denúncia 5 de maio de 2010 13:44  
Este comentário foi removido pelo autor.
Voz de denúncia 5 de maio de 2010 13:47  

é chegamos em uma otima, belissima conclusão, você ja reparou, que nosso discurso sobre a salvação não é apartir do ceú, mas do inferno, pregamos:
vc precisa aceitar a jesus, mas pra? pra não ir pro inferno, quando se colocada em pauta a vida dessa pessoa, ainda que ela seja o maior icone de como amar, que ela enorme dedicação carinho amor a vida, responsderão, ele aceitou jesus? confessou, ele pode fazer tudo isso mas não vai para o ceú.
cara me pergunto quando jesus disse isso?
cara o que temos de pessoas na igreja consdicionasdas a uma religiosiade falsa,estão na igreja não por que amam a Deus estão na igreja para não ir pro inferno, uma religião do medo, quando jesus veio colocar medo nas pessoas, escravisalas ,obrigalas a servirem a Deus não ele veio libertar. derramar seu espirito sobre toda a carne.

Lio 6 de maio de 2010 04:29  

Keiker você está corretissimo, hoje o tipo de relacionamento que temos com Deus é de barganha. E o pior que soa até bonito quando pronunciado em nossas orações:

"Te dou a minha vida e me das a salvação"