Pecadores Anônimos

Pouco antes de meu filho Lucas nascer eu fazia um curso de Inglês em um centro católico de ensino. Este local também servia de sede para um grupo dos Alcoólicos Anônimos ou AA.

{Alcoólicos Anônimos é uma Irmandade mundial de homens e mulheres que se reúnem para alcançar e manter a sobriedade através da abstinência total de ingestão de bebidas alcoólicas.Os novos membros do AA são encorajados a não beber "um dia de cada vez". Através de exemplos, testemunhos e pelo companheirismo concentram-se em não beber hoje. Ao se afastarem da bebida, começam a cuidar de uma parte da doença. Anunciam aos seus membros “Nossos corpos têm uma chance de melhorar”}.


Algumas das salas usadas pelo AA também eram usadas pela minha turma. Um dia olhando os cartazes deparei-me com um que mostrava os doze passos propostos aos Alcoólatras anônimos.

É claro que apenas alguns passos não reabilitam ninguém, mas o primeiro me chamou a atenção.

“Admitimos que éramos, e somos impotentes perante o álcool - que tínhamos perdido o domínio sobre nossas vidas”.

Ou seja, ou eles admitem que tem um problema ou estão perdendo tempo de estar ali.

Nossa maior dificuldade é admitir problemas, admitir que fizemos a coisa errada, em diversas áreas; conjugais ou não, comercias ou não, espirituais ou não.

No que diz respeito a espiritualidade; quanto tempo é desperdiçado nas nossas reuniões  religiosas, com a evocação de poderes sobrenaturais, possessões com línguas estranhas e pedidos de restituições divinas. (Se quer saber mais sobre isso acesse o blog do meu amigo Keiker: http://vozdedenuncia.blogspot.com/2010/05/restitui.html). 


Não existe mais um espaço para a reflexão pessoal e comunitária; a idéia não era reconhecermos que somos pecadores e que precisamos de ajuda para desenvolver nossa humanidade, pois perdemos o domino próprio? Estar em algumas reuniões religiosas hoje têm se tornado uma grande perda de tempo.

Acredito que o primeiro passo para nossa reabilitação com Deus acontece quando conseguimos dizer: “Miserável homem que eu sou!” E reconhecemos realmente que somos incapazes de não pecar. 

É preciso admitir que não conseguimos fazer as coisas certas e deixar de fazer as coisas erradas. “...Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim”. (Romanos 7: 17-20 NVI)

Paulo diz que o grande problema que eu tenho sou eu mesmo, não é o que faço ou deixo de fazer, é o que eu sou.  

Preciso assumir que tenho um problema e procurar ajuda, sou um pecador. Não estou fazendo o que deveria fazer, não estou desenvolvendo minha humanidade. Preciso de auxilio divino e dos irmãos. Meu pecado não pode ter domínio sobre mim. 
Quando foi que o pecado começou a tomar espaço na minha vida? Quando decidi trilhar por caminhos de morte.

Na cena do Éden o homem está entre a arvore da “vida” e a arvore do conhecimento do bem e do mal, a qual continha um fruto com sabor de “morte”. O que há entre a vida e a morte? Nada, não há nada. O mito do éden mostra o homem entre algo que pode lhe dar vida e algo que pode lhe causar a morte. E que o homem escolhe o caminho de morte.

Os filhos de Deus são encorajados por ele a trilhar por caminhos de vida e vida abundante, são encorajados a deixar o pecado "um dia de cada vez", negando-se a si mesmos dia após dia. E através de exemplos, testemunhos e pelo companheirismo concentram-se em não pecar hoje. Ao se afastarem do pecado, começam a manifestar os dons do Espírito Santo. Anunciam aos seus irmão “Nos temos a chance de melhorarmos como pessoa, e a desenvenvolver nossa humanidade”.

É necessário enfrentar a nos mesmos, admitir que éramos, e que sem a ajuda divina somos impotentes perante o pecado, que estamos perdendo o domínio sobre nossas vidas.

Nossas fraquezas e pecados roubam nossa humanidade. Lute contra isso; um dia de cada vez.

Por Leonardo Pessoa

6 comentários:

keiker 30 de maio de 2010 18:48  

se esconder de nossos erros, e se esconder de nos mesmos, minha proxima postagem, sera sobre o eden, em fim, penso hoje que nossa frase é errada, "ser humano", acredito em sendo humano, cristo reflete o apsi do ser humano, buscamos um espiritualidade ufanista, devemos buscar a espiritualidade de Jesus, que quanto mais viveu mas espiritual foi sendo e ser humano.

keiker 30 de maio de 2010 18:49  

opa e obrigado pelo marketing santo do meu blog.

ruialves 31 de maio de 2010 12:48  

é, sem sensibilidade humana nao iremos muito longe,parabéns pelas mensagens, irá ajudar muitas pessoas necessitadas,que bom.

Hermínia Nadais 27 de junho de 2010 17:08  

Aberto para reformas!
Quando vim ver o blogue achei graça ao título mas não compreendi.
Li duas postagens. Como a hora aui vai avançada, tenho que ir dormir... mas antes quero dar-lhe os parabéns pelo título do seu blogue e pela maravilha das duas postagens que li, e prometer-lhe voltar... vale a pena... para poder construir-me também com os seus materiais de construção.
Abraço
Hermínia Nadais

Leonardo Pessoa 31 de janeiro de 2011 02:20  

Muito obrigado pelos comentários.

Anônimo 29 de julho de 2012 21:19  

olá, quero lhe dar os parabéns pelo texto!!sou uma alcoolatra em recuperação (sim, existem mulheres alcoolicas..)e fiquei emocionada ao ver que vc teve a mente aberta para ler os passos e perceber como funciona o programa, é um programa de vida para a vida toda e acredite alguns passos (no caso os 12passos) são suficientes para transfomar um bebado em um ser humano util para a sociedade, claro que não é da noite para o dia, o primeiro passo como vc bem observou é o mais importante...continue lendo, quem sabe vc descobre mais coisas interessantes, se prestar atenção verá que apenas o 1ºpasso fala em alcool, tire aquela palavra e substitua pelo que quiser : raiva, odio, rancor, chocolate, sexo, amor,etc.etc....um abraço