A IGREJA DE JESUS I


A Fundação

Mateus 16 registra uma conversa de Jesus com seus discípulos quando eles estavam numa terra bem distante chamada Cesaréia que ficava a noroeste de Israel, enquanto caminhava Jesus fez uma pergunta:
O que o povo daqui diz sobre mim? O interessante é que Jesus estava perguntando sobre sua própria identidade, não a identidade que ele sabia ter, mas a identidade que o povo lhe atribuía. Quando você se relaciona com alguém, este relacionamento não é baseado na identidade que você possuí, mas na identidade que lhe foi atribuída.
Jesus está perguntando isso, qual é a identidade que o povo lhe atribuía. Os discípulos responderam:
Eles te consideram um profeta. Como Elias, Jeremias ou João batista.
Jesus não fez qualquer comentário. O povo o comparou a profetas bastante duros; os profetas mencionados pelo povo eram profetas duros que levaram a Israel pensar seriamente sobre a sua vocação, seu chamado por parte de Deus. Mas eles erraram ao atribuir a Jesus somente o status de profeta, mas além de terem errado eles disseram mais sobre si que talvez gostassem de dizer. O que o povo disse sobre si mesmo ao fazer esta afirmação sobre quem achavam que era Jesus? Disseram que o importante do relacionamento deles com Jesus não era quem ele era mais o que podia fazer. Eles iam até Jesus buscar uma benção, buscar uma cura pra si, pros seus; por isso não importava muito quem Jesus era, importava sim o que ele podia fazer.
Será que ele pode curar meu filho? Pode multiplicar pães pra mim?
Ali se formou uma igreja, a igreja da multidão, aquela que não está nem um pouco interessada no que Jesus é ou representa desde que ele possa fazer o milagre. Quer receber de Jesus tudo o que puder. Esta igreja tem se proliferado no Brasil e no mundo, uma de suas características é ensinar como usufruir o máximo de Jesus pra si, obter dele todas as bênçãos possíveis que seu poder pode conceder. Qual foi a reação de Jesus ao comentário do povo?
Nenhuma; Jesus não reagiu. E como se ele tentasse dizer; que não há o que comentar.Diante deste tipo de postura não há o que comentar, há sim o que lamentar. Como ele não era de lamentos, não disse nada e estendeu a pergunta a seus discípulos:
E vocês quem vocês acham que eu sou? Pedro imediatamente respondeu:
Tú és o Cristo o filho do Deus vivo!Essa foi uma resposta corretíssima porque foi inspirada por Deus, Jesus mesmo disse: Pedro você é um homem feliz, porque não foi a tua inteligência nem sua perspicácia que o fizeram você perceber isto, mas foi o meu pai que esta no céu que revelou pra você.
Aqui surge outra igreja, a igreja dos discípulos, a igreja que sabe quem é Jesus.
Qual é o significado da resposta de Pedro? Quando ele disse que Jesus era o Cristo, ele disse na verdade que Jesus era o escolhido por Deus para libertar o povo. Essa é uma ótima resposta, porque o povo que acreditava que viria um messias, achava que o Cristo seria o maior de todos os profetas. Mas Pedro disse mais, ele disse: O filho do Deus vivo! Trocando em miúdos é; o senhor é Deus que veio em carne e osso nos libertar. Essa resposta é perfeita. Quer dizer, Jesus é o ungido, o libertador, mas não só um mero libertador o senhor é o próprio Deus. Esta é à base da igreja dos discípulos, a igreja dos que sabem quem Jesus é. E isso muda todo o relacionamento que já haviam tido com Jesus; sabe por quê?
Porque a um líder seguimos, a um chefe obedecemos, um profeta ouvimos, de um mestre aprendemos, mas a um deus? Um deus a gente adora; não tem outra opção, deus ou você rejeita, ou você adora.
Quando Pedro disse: Tu és Deus que vieste em carne e osso para nos libertar, uau... Ele tinha criado um novo relacionamento com Deus, um novo relacionamento com Jesus. O qual era um relacionamento de adorador, se Jesus é Deus vamos adorá-lo. E Jesus disse: Você é Pedro e sobre esta “pedra” eu vou edificar a minha igreja.
E qual é a pedra? Você pode pensar que a pedra é Pedro, mas não é. A pedra é Jesus, do jeito que Pedro falou como ele era.
Então o que é a igreja de Jesus? É a reunião das pessoas que estão ensinando sobre esta pedra, ou seja, que viram que Jesus é Deus que veio em carne e osso para nos libertar e passam a ser adoradores de Jesus.
E o que significa ser adorador de Jesus? Será que ser adorador de Jesus significa montar uma banda, montar um grupo de louvor, ter uma oportunidade e falar algo no culto de domingo? O que é ser um adorar? Adorar é imitar! Foi isso que Paulo disse: sede meus imitadores como eu sou de Cristo. Quando você adora alguém você tenta imitá-lo você tenta parecer com ele, procura se vestir como ele, falar como ele ou como ela. Quem é que adora a Jesus? Aqueles que o imitam, e buscam imitá-lo, que olham pra ele como quem olha pra um espelho pra se acertar a imagem dele. E toda vez que olhamos pra Jesus com desejo de ser igual a ele, isso soa pro Espírito de Deus como uma oração, e uma oração que ele sempre atente.
O que penso é que a igreja é a reunião de pessoas que adoram a Jesus, de pessoas que querem ser iguais a ele, de pessoas que procuram imitá-lo no seu relacionamento com Deus, no seu relacionamento com o próximo, no seu relacionamento consigo mesmo. E de quantas pessoas são necessárias para que essa igreja surja? Duas ou três reunidas em torno de Jesus, para conhecê-lo melhor, para reverenciá-lo, para imitá-lo e para reproduzi-lo no seu dia-dia e nos seus conhecimentos. (Este texto é uma transliteração de uma mensagem de Ariovaldo Ramos) 


Por Leonardo Pessoa
Bibliografia:
Livros Repintando a igreja - Rob Bell
Multidão e discípulos: as duas igrejas da realidade
Mensagem Como escolher a igreja certa? - Ricardo Gondim
Ariovaldo Ramos - Mensagem

1 comentários:

Voz de denúncia 20 de fevereiro de 2010 16:35  

Nossa de onde vc tirou essas interpretações dessa passagem, inspiração pura belissima reflexão, estou esperando novas postagens.